Soubesse eu conjugar as palavras por forma a que cada letra reflectisse um tom que conjugados tomassem formas e cores em tela e pudesse assim alto e bom som dizer o sentimento que pela minha Terra tenho. Ai se eu soubesse. Ai assim pudesse.

Segunda-feira, 30 de Novembro de 2009
Estórias de Colares

Com autorização do senhor Alberto Luís de Oliveira aqui transcrevo a história que teve a amabilidade de partilhar com os 2 Nunos.
No dia 1 de Janeiro de 1945, no rés-do-chão da sede da Banda, estava uma senhora em trabalho de parto. No 1º andar, na sede propriamente dita, estava a decorrer um baile da «Passagem de Ano».
A D. Cassilda, parteira de grande parte da população mais adulta de Colares, estava no baile de onde foi chamada à pressa para acorrer a mais um nascimento. Mandou a D. Cassilda parar o baile, pois a prioridade era o bebé nascer.
Alberto May Tota, figura de proa da Banda, prontificou-se a ser o padrinho da criança. Ficando no registo como madrinha a Banda dos Bombeiros Voluntários de Colares. (!!!) A criança tomou então o nome Alberto Luís de Oliveira, ficando com o nome do padrinho, Alberto.
Na Igreja, foi padrinho o senhor da Palmeirinha e como madrinha Nossa Senhora da Assunção.

Agora a segunda história onde está também Alberto May Tota.
Recorrendo ao livro «Cem Anos Fazendo o Bem», editado pela Associação dos Bombeiros Voluntários de Colares por altura do seu centenário, tendo como autor o nosso saudoso António Caruna, na página 17, segundo parágrafo, podemos ler, sobre a dificuldade do eléctrico chegar às Azenhas do Mar:
«Havia até quem afirmasse, para demonstrar a sua descrença, que os "eléctricos" só chegariam às Azenhas do Mar quando o chafariz do Arcão deitasse vinho em vez de água. A verdade é que, alguns anos mais tarde, Alberto May Tota, no dia da inauguração desse prolongamento, mandou colocar uns barris de vinho devidamente canalizados ao chafariz e este, sem que nisso houvesse qualquer espécie de milagre, mas antes um puro acto de prestidigitação, deitou realmente vinho.
Os mais incrédulos puderam regalar-se com o precioso néctar e comprovar a sem-razão da sua incredulidade.
Ao que dizem, um tal Jacinto, só à sua conta bebeu 28 canecas que lhe valeram um "pifo" altamente comemorativo».

António Caruna escreveu ambos os livros comemorativos dos respectivos centenários, dos Bombeiros e da Banda. No livro dos Bombeiros, o apelido Tota aparece só com um «t», no livro da Banda, na página 352, aparece Totta com «tt». Com certeza que o autor sabia como se escreveria. Será um erro tipográfico?



estupefactado por NunoCosmeMoreira às 19:57
link do post | comentar | favorito
|

Related Posts with Thumbnails
 
DOWNLOAD
Citação Diária
arquivos
tags

actualidade(54)

bandabvcolares(19)

benfica(46)

colares(86)

cultura(40)

curiosidades(37)

desporto(31)

economia(5)

efeméride(5)

estóriasdecolares(1)

filosofia(2)

história(12)

História(1)

imagem antiga(22)

keil(3)

lamechas(1)

literatura(1)

mãoamiga(3)

marketing(23)

memorias(20)

memórias(17)

Memórias(13)

negócios(10)

Negócios(2)

parabens(13)

pensar(8)

phrase(1)

piadinha(30)

politica(139)

porto(8)

Português(2)

praia das maçãs(8)

Praia das Maçãs(2)

precário(6)

quebra-tolas(2)

quem nos salva?(31)

rir(3)

sonhar(16)

sporting(16)

útil(10)

video(70)

youtube(64)

todas as tags

Related Posts with Thumbnails